Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pretextos para Escrever

Tudo justifica a vontade de escrever.

Pretextos para Escrever

Tudo justifica a vontade de escrever.

A Arte de Relaxar Vs. Procrastinação

Com transformar a procrastinação numa ferramenta de produtividade?

17.08.21, Bruno Ervedosa

Todos temos dias em que adiamos uma tarefa ou outra, nem que seja por 10 minutos. Os motivos podem variar, desde uma simples pausa para beber um café, até àqueles minutos extras na cama. O grave é que sabemos que temos de terminar projetos para entregar aos clientes e que podemos falhar os prazos acordados. 

Não acho problemático ficar mais minutos na cama, parar para tomar café, ou conversar com alguém, desde que se consiga cumprir os prazos estabelecidos. A gestão de como fazemos o nosso tempo deve de ser da nossa inteira responsabilidade e fazê-la de forma a que nos tornem mais produtivos. O que não podemos é fazer com que essas pausas sejam prejudiciais para o nosso desempenho. 

Quando se tornam prejudiciais, não afetam apenas o nosso trabalho, mas o dos restantes colegas e até o dos clientes. Como todos sabemos, isso é mau profissionalismo e não abona no currículo de ninguém. 

 

Mas, essas pausas podem ser benéficas. Podem ser o momento em que encontramos uma solução para a uma questão, ou ter uma grande ideia que para desenvolver. Também pode ser aquele momento em que precisamos de parar para nos focarmos novamente no que é essencial. 

Normalmente, entendemos essas pausas como procrastinação. Sempre que alguém para de fazer alguma coisa, achamos que a pessoa está a procrastinar. Mas, quando as tarefas estão em stand by, será que estamos a procrastinar? 

O que é Procrastinação? 

Primeiro que tudo, vamos entender o que é a procrastinação. Segundo o dicionário online Priberam, procrastinar é adiar ou deixar para depois. Por outras palavras, é deixar de fazer alguma coisa que sabemos que é preciso fazer. 

Na prática, isso resume-se a colocar de lado uma tarefa para fazer outra coisa. Isso é a tentação de todos os dias de quem está em teletrabalho: saber que tem de terminar um trabalho e fazer aquele break para ver um ou dois episódios da nova série que estreou. 

Usamos a desculpa “é para descansar um pouco”, para depois voltarmos com mais vigor à tarefa, porém, o que estamos a fazer é perder tempo que nos seria útil para não andarmos a correr atrás dos prazos. 

Saltar de Tarefa em Tarefa 

Executar um pouco de cada tarefa sempre que se cansa de fazer uma, também não é uma forma saudável de trabalho. Porque, na verdade, não está a ser produtivo, mas a desorganizar o seu tempo. 

O que pode acontecer é que vai chegar a um momento em que vai precisar de uma tarefa concluída para terminar a outra e, como está desorganizado nas tarefas, vai ficar com o seu trabalho confuso. 

No fundo, está a fugir ao plano de trabalho e é tão prejudicial como procrastinar. 

E a Arte de Relaxar?

A arte de relaxar é uma forma de desenvolver uma disciplina de pausas para descansar e fazer o que quiser.  

Esta arte, por assim dizer, é uma forma de estabelecer intervalos programados durante o trabalho, de forma a não haver breaks cada vez que nos apetece e a otimizar o nosso rendimento nas tarefas. 

Segundo alguns especialistas, é possível ganhar mais 30 minutos para executar tarefas quando o nosso tempo é organizado. 

A diferença entre procrastinar e relaxar é a disciplina a que está associada. Enquanto procrastinar é deixar de fazer, mesmo sabendo que temos de fazer, relaxar é uma forma organizada e pré-estabelecida para gerir o nosso tempo entre tarefas e pausas. 

Tudo está programado na arte de relaxar. Por isso, é possível alternar entre projetos com uma disciplina através da gestão de tempo. 

Coisas que nos fazem procrastinar 

Há várias coisas que nos podem fazer procrastinar, no entanto, há algumas que nos consomem mais tempo útil do que outras e nem sequer damos por isso. 

Três dessas coisas que nos fazem procrastinar e às vezes nem notamos. São: 

  • Usar o telemóvel para ler uma mensagem ou um email,
  • Estar nas redes sociais,
  • Assistir à televisão porque o conteúdo nos chamou a atenção.

No entanto, recomendo que faça uma análise ao seu dia e perceber onde gasta mais tempo. Nem todas as pessoas gastam o seu tempo da mesma forma, por isso é preciso perceber onde é que passam mais tempo e como isso tem afetado o seu rendimento. 

O que pode fazer com mais 30 minutos no seu tempo? 

Talvez diga que trinta minutos não dá para fazer muita coisa no seu trabalho e, provavelmente, tem razão. No entanto, há forma de fazer planos com os trinta minutos que temos e dividir tarefas por vários dias. 

Por exemplo, escrever um texto, pode ser feito em 5 dias, durante 30 minutos, da seguinte forma: 

  1. Brainstorming dos tópicos que se pretende escrever, 
  2. Descrever cada tópico, 
  3. Fazer uma pesquisa para o primeiro rascunho, 
  4. Redigir o artigo final,
  5. Rever o texto. 

Isto é apenas um exemplo de como pode fazer. Tudo vai depender da tarefa que tem e as etapas que precisa executar para a concretizar. 

Concluindo 

No fundo, a arte de relaxar é transformar a nossa procrastinação, que está em modo automático, em períodos organizados de pausas, durante o nosso dia. 

Assim, a minha proposta para si é que em vez de parar o seu trabalho e alternar entre tarefas sem uma disciplina, adote um conjunto de regras que pautem o cronograma de execução de tarefas durante o dia, de forma a estabelecer períodos de produção para cada projeto e os seus intervalos. 

A gestão do seu tempo entre trabalho e pausas pode ser a peça que faltava para tornar o seu trabalho mais rentável e bem-sucedido. 

Com o tempo otimizado, terá mais tempo para outras tarefas ou, até mesmo, para si e para a sua família. 

 

3 comentários

Comentar post